Os tipos mais comuns do Calçadão de Alcântara

906
Calçadão de Alcântara em São Gonçalo, Rio de Janeiro

As mesas do shopping que substituiu a Praça Carlos Gianelli têm uma boa vista dos gonçalenses que vão e vêm pelo Calçadão de Alcântara. Circulam por lá três tipos interessantes: o camelô, o estudante e o idoso. A pele negra prevalece e a dignidade se destaca no porte de cada um.

O camelô é o mais exótico porque precisa despertar o interesse dos pedestres para lucrar. Ninguém passa pelo Calçadão indiferente à voz arrastada e potente das vendedoras de chips. Elas têm uma participação importante no faturamento das operadoras e também distribuem carinho em troca de atenção. Do grito ao sussurro, chamam o cliente mais próximo de “amor”, “amado”, “querido” e outras gentilezas.

Ouço há 28 anos que nenhum desempregado fica sem dinheiro em Alcântara. Basta pegar um isopor e vender bebidas no Calçadão. Tanta gente vende água, cerveja e guaraná natural, não raro um vendedor de frente para o outro em aberta concorrência. Passam o dia sentando e levantando do caixote de madeira para tirar bebidas do gelo, com o troco do cliente na outra mão, mantida seca para receber o pagamento.

“Pequenas rodas de conversa se espalham pelo Calçadão de Alcântara, as pessoas não estão apenas de passagem”

O futuro de São Gonçalo é o adolescente que anda de chinelo e mochila nas costas, o estudante, segundo tipo mais comum. Geralmente em dupla, tão colados que esfregam o braço no seu par a cada passo, exibem penteados, acessórios e formas de interação que ainda não chegaram aos adultos. O boné na cabeça dos meninos é quase obrigatório, nas meninas, o sorriso no rosto e a velocidade com que mudam de rumo, andando de um lado para o outro e achando graça das coisas.

As conversas se espalham no calçadão de Alcântara

A característica mais marcante dos idosos é a quantidade grande de bolsas que carregam. Ninguém faz mais compras e leva tanto peso quanto eles. Têm o passo lento, o olhar caído, cansado, mas observador. As senhoras andam bem vestidas, maquiadas e aparecem em maior número do que os homens.

Pequenas rodas de conversa se espalham pelo Calçadão. As pessoas não estão apenas de passagem. O bicicletário fica diariamente lotado. Muitos fazem negócios por lá, como trocas de produtos para festas. Por isso a Praça Carlos Gianelli, na ponta do Calçadão, teria mais utilidade do que um shopping que ocupa o espaço público e joga os pedestres para o meio da rua.

RESPONDA AO COMENTÁRIO

Escreva seu comentário aqui.
Por favor, insira seu nome aqui.