Dia 10 de março de 2017, estive no Centro Cultural Joaquim Lavoura para o Show de comédia em pé do grupo “Descontrarindo”. A entrada, um quilo de alimento, foi doada para o Abrigo Cristo Redentor. A mesa de doações ficou farta, ressaltando quem levou até leite em pó para os idosos.

A Secretaria de Cultura, com toda sua equipe, imprimia um abraço largo aos convidados. O brilho das centenas de sorrisos flamejam de alegria o velho prédio cultural. Os meninos da comédia fizeram um evento à altura da ilustre plateia: artistas, músicos, secretários, patrocinadores e gente comum de verdade. É a arte de construir movimentos humanos com uma dose de pouco recursos e uma pitada de quase nada. A Dedicação foi a palavra-chave para aquela noite. Alegria foi o sobrenome da festa.

O Centro Cultural foi inaugurado em 22 de setembro de 1988, no governo Hairson Monteiro. Nessa época, CULTURA era apenas um departamento da Secretaria de Educação. Previsto para ter 6 andares, o prédio parou no 4º por falta de verba.

Era o que havia de melhor em construção. Revestido em mármore e com acesso para cadeirantes, o orçamento de 500 mil dólares não foi suficiente para dar conta da obra. Uma revolução em termos de “Aparelho Cultural”.

Foi pensado como um espaço para abrigar setores administrativos de uma vertente que crescia em importância e que, em breve, se tornaria uma Secretaria. A cultura apontava para ser a principal ferramenta da Secretaria de Educação até construir seu espaço independente e convergente.

O plano não foi pra frente. A Secretaria de Cultura tornou se uma realidade apenas no ano de 2001, graças à força dos movimentos sociais que reverberavam o “fazejamento” cultural daquela década.

Plateia, artistas e equipe da Secretaria de Cultura no Centro Cultural Joaquim Lavoura
Plateia, artistas e equipe da Secretaria de Cultura no Centro Cultural Joaquim Lavoura

Consolidando o Lavourão como um dos pólos de cultura da cidade

Hoje, em estado de calamidade declarado, o governo municipal promoveu o achatamento do setor em nome da crise. É preciso corrigir o curso da história, pois o Centro Cultural Joaquim Lavoura nunca desempenhou o papel para o qual foi destinado. Exprimida em apenas um dos andares do prédio, a Secretaria de Cultura e a FASG depende exclusivamente da criatividade e da profissionalização dos gestores. Não possuem concursados ou política pública de médio e longo prazo.

Atendendo a lógica da promoção, o espaço deve atender a demanda do setor cultural que não diminuiu após o achatamento promovido pelo governo NANCI. O gerenciamento do prédio precisa atender a demanda da Sociedade Civil : Projetos, eventos, cursos, profissionalização, aulas e administração. Um espaço de vivência e conexão com a importância da cultura no processo de formação da cidade e do ser humano. E se mover ao contrário carecemos entender os motivos.

COMPARTILHE
Post AnteriorA importância dos festivais gastronômicos nas cidades
Próximo Post8 dicas para pedalar em São Gonçalo

André Correia é professor, historiador e criador do Projeto Cultural Alternativo, criado na Faculdade de Formação de Professores da UERJ. O grupo foi criado para promover o saber e difundir a cultura gonçalense na universidade. O projeto deixou a Sociedade Acadêmica e ampliou o arco de atuação na Sociedade Civil, organizando-se em duas vertentes voluntárias: GT Bem Estar, com ênfase na Proteção aos Animais e o GT Cultural, com ênfase no Patrimônio, na História e na Memória regional.
O atua na internet e mídia escrita.

2 COMENTÁRIOS

  1. Não concordo com o título que o André deu a este texto, no governo passado havia diversas atividades acontecendo no LAVOURÃO, portanto não houve nenhum gigante adormecido, o Rafael Massoto desenvolvia vários projetos que foram realizados neste espaço, vendo acida tem um que foi criado por ele BPM – Batidas Por Minuto, entre outras atividades que povoavam o este espaço, entre shows, exposições diversas, lançamentos de livros, palestras, etc…
    Sabemos muito bem que um Centro Cultural não é local adequado para administração, ainda mais que além do pessoal da Sec. de Cultura, também a Educação ocupa o lugar e tira espaço de atividades ligadas a arte e cultura, o prédio tem sinais de abandono e problemas estruturais, é preciso uma reforma urgente outra coisa é que o problema da Cultura em nossa cidade é mesmo falta de pessoal especializado na Secretária de Cultura a qualificação é essencial para investir em pontos que realmente existe carência na área cultural.

    View Comment
  2. Não concordo com o título que o André deu a este texto, no governo passado havia diversas atividades acontecendo no LAVOURÃO, portanto não houve nenhum gigante adormecido, o Rafael Massoto desenvolvia vários projetos que foram realizados neste espaço, vendo acida a chamada para um projeto que foi criado por ele BPM – Batidas Por Minuto, entre outras atividades que povoavam o este espaço, entre shows, exposições diversas, lançamentos de livros, palestras, etc…
    Sabemos muito bem que um Centro Cultural não é local adequado para administração, ainda mais que além do pessoal da Sec. de Cultura, também a Educação ocupa o lugar e tira espaço de atividades ligadas a arte e cultura, o prédio tem sinais de abandono e problemas estruturais, é preciso uma reforma urgente outra coisa é que o problema da Cultura não é eventos no Lavourão, sempre existiu em quantidade suficiente, o maior problema da cultura em nossa cidade é falta de pessoal especializado na Secretária de Cultura a qualificação é essencial para investir em pontos que realmente existe carência na área cultural na cidade de São Gonçalo.

    View Comment

RESPONDA AO COMENTÁRIO

Escreva seu comentário aqui.
Por favor, insira seu nome aqui.