“No meu plantão, não!”, diz o vigia da Fazenda Colubandê

865

É fácil adivinhar por que os vigias da Fazenda Colubandê a amam tanto: eles conhecem sua história.

– No meu plantão, não!

Desse jeito raivoso Bira me respondeu quando perguntei se os atos de vandalismo contra a Fazenda Colubandê ainda acontecem. Ele tinha uma paixão nos olhos que eu nunca tinha visto por São Gonçalo. Como se uma mãe zelosa gritasse “Com meu filho ninguém mexe!”.

Bira é um dos quatro funcionários do Governo do Estado do Rio que se revezam a cada 36 horas para vigiar sozinhos, durante 12 horas, um espaço de cerca de 120 mil metros quadrados. Enquanto existir alguém que defenda a Fazenda Colubandê como ele, haverá esperança de dias melhores para o patrimônio histórico gonçalense abandonado desde 2012, quando foi desativado o Batalhão de Polícia Florestal que funcionava ali.

Além de Bira, diversos militantes, organizações e movimentos lutam pela revitalização da Fazenda. Grupos realizam ocupações culturais regularmente, como a do último sábado (03/06) com palestras, debates, exposições e apresentações teatrais. Há esperança, e muita, porque o povo gonçalense sabe a importância da Fazenda.

Ela é utilizada diariamente por dezenas de pessoas para a prática de atividades físicas, sem nenhum incentivo público. Na verdade o Poder Público até impõe obstáculos: na terça-feira (06/06), a quadra de esportes, de responsabilidade da Prefeitura de São Gonçalo, estava trancada com cadeado.

Bira não é o único vigia dedicado. Confesso que fiquei surpreso quando outro vigia me orientou, com a maior atenção do mundo, a não caminhar fora do alcance visual dele porque “pessoas estranhas” circulavam pelo local. Depois de anos abandonada, hoje a Fazenda conta com vigias que zelam pelo patrimônio e cuidam da segurança dos visitantes. É pra ter esperança, sim, ainda que não tenha sido uma atitude espontânea do Governo do Estado, mas determinada pela Justiça Federal.

É fácil adivinhar por que os vigias da Fazenda Colubandê a amam tanto: eles conhecem sua história. O Governo do Estado não ensinou nada, eles aprenderam com os antigos moradores da região. O Governo não ensinou nem a vigiar, eles não são vigias profissionais. Enfrentam diversos perigos desarmados – delinquentes perambulam pela Fazenda e bandidos são vistos usando a mesma como rota de fuga – e sua única “proteção” é um rádio comunicador para pedir ajuda ao posto da Polícia Militar localizado nos fundos do complexo. Bira e seus amigos corajosos fazem mais do que a função pede e o salário paga.

Vigiar a Fazenda Colubandê é cansativo, Bira caminha quilômetros a cada plantão. Ele espera que a partir de julho ou agosto alguma instituição faça a limpeza e a reforma da sede e da capela. Para não reduzir a paixão do vigia pela Fazenda – se isto for possível – eu não disse nada, mas a restauração deve demorar mais que isso. As quatro empresas antes interessadas em reformar o patrimônio não compareceram à tomada de preços mês passado.

A destruição, as pichações, as camisinhas usadas e o esgoto correndo a céu aberto, antes ocupantes exclusivos, agora dividem a Fazenda Colubandê com a determinação e o amor dos seus vigias.

RESPONDA AO COMENTÁRIO

Escreva seu comentário aqui.
Por favor, insira seu nome aqui.