A Biblioteca do Catarina

3432
Biblioteca Comunitária Visconde de Sabugosa – Jardim Catarina

Antes de seguir o corredor em direção ao quarto, dá uma olhadinha no relógio de parede que marca, religiosamente, cinco minutos para vinte horas. Não adianta lutar contra. É certo que será vencido pelo sono, lembrando o quanto estaria aceso naquele mesmo horário em sua juventude. O tempo é realmente um adversário invencível, que se utiliza de armas das quais não temos escudos para nos proteger. Com os dedos ásperos de anos e anos de trabalho duro como pedreiro, desliga o interruptor da luz do corredor e com passos curtos e cansados caminha para o quarto.

Senta-se na beirada do colchão. Mas antes de se deitar, seus olhos encontram na parede misturada àquele mundo de livros, incluindo a velha enciclopédia Barça de seis volumes onde tudo começou, em 2004. Imediatamente, lembrou-se de Maria da Penha, sua mais que esposa, amiga e companheira, que com ele começou aquele sonho, inclusive, abdicando de seu próprio quarto para que as crianças da comunidade tivessem acesso aos livros e conhecimento.

O rosto de Maria da Penha estava nítido em sua memória. Perdera recentemente, e com ela, o ânimo de continuar aquele nobre trabalho. Lembra-se como se fosse hoje, quando voltou de uma viagem do Recife, com sua inseparável bike, e juntos sentaram para idealizar a biblioteca. Aquela velha enciclopédia de 10 anos de idade foi a primeira a ir para estante.

Biblioteca Comunitária Visconde de Sabugosa – Jardim Catarina
Momento das obras para a construção da Biblioteca Visconde de Sabugosa – Jardim Catarina
Biblioteca Visconde de Sabugosa, Jardim Catarina, ainda na fase das obras.
Biblioteca Visconde de Sabugosa, Jardim Catarina, ainda na fase das obras.

O acervo da biblioteca foi crescendo cada vez mais com doações de amigos. Aquele personagem feito do sabugo de milho criado por Monteiro Lobato, que devorava livros e fazia dele um intelectual, sempre passeou pela sua imaginação. Com aprovação de sua esposa, foi com o nome desse personagem que nascia a Biblioteca Comunitária Visconde de Sabugosa. Na época, a biblioteca mais próxima era a do Centro Cultural Joaquim Lavoura, e não se podia deixar as crianças da comunidade andar tanto para que pudessem estudar.

Um sinal de esperança

Os tempos são outros. Com muitas dificuldades, já não tem mais sua esposa para ajudá-lo naquela batalha. A biblioteca sobrevive um dia após o outro, sem nenhuma ajuda para mantê-la de pé. E quando estava ali, sentado na cama, questionando-se se valeria mesmo a pena continuar aquela luta, foi interrompido por batidas na porta.

Seu Carlos em meio a Biblioteca Visconde de Sabugosa, Jardim Catarina.
Seu Carlos em meio a Biblioteca Visconde de Sabugosa, Jardim Catarina.

Levantou-se pensando em quem poderia ser naquela hora da noite. Caminhou pelo corredor e  reacedeu o interruptor da luz.

– Já vou!

Abrindo uma pequena fresta na porta, viu uma jovem senhora e uma menina que não passava dos 15 anos. Jardim Catarina pode não ser o maior bairro em extensão de São Gonçalo, mais leva o título de maior loteamento da América Latina, com cerca de 20 mil domicílios. Embora conhecesse muita gente no bairro, aquelas duas, nunca vira antes.

– Olá, o senhor deve ser Carlos Luiz Leite. Meu nome é Sueli e essa é minha filha Raquel. Somos daqui de Jardim Catarina e precisamos muito da sua ajuda.

Carlos abre totalmente a porta e com um gesto as convidam para entrar.

– Senhor Carlos, sei que esta um pouco tarde, mas esse é o horário que chego do meu serviço no Rio e é a única hora que encontro para me dedicar à minha filha e acompanhar seus estudos. Notei que estava aflita, por causa de um trabalho de ciências que vale ponto para amanhã. Falei com ela que poderia vir à biblioteca no horário de funcionamento antes deu chegar, mas o senhor sabe como são as crianças.

– Não se preocupe Sueli, a nossa casa está sempre aberta para quem tem sede de conhecimento. E não há hora marcada para adquirirmos conhecimentos. Por falar nisso, a Raquel já sabe o que quer ser quando crescer? Carlos pergunta procurando os olhos da menina.

– Veterinária. A menina timidamente responde.

– Que bom! Vou ter quem cuide de mim quando ficar doente. Responde Carlos, arrancando gargalhadas das duas.

Conversaram ainda por meia hora, enquanto Carlos separava alguns livros de ciências da sétima série. Falou quanto era gratificante ser parado nas ruas da comunidade por pessoas que queriam agradecer por seus filhos terem passado de série, entrado na faculdade ou aprovados em um concurso por conta dos livros da biblioteca.

– Esses livros aqui com certeza vão ajudar a futura veterinária no seu trabalho de amanhã.

– Muito obrigada mais uma vez, senhor Carlos. Fala Sueli, enquanto caminham até a porta.

Na porta, Carlos observa Sueli pegar sua filha em uma das mãos, enquanto na outra segura os livros, caminhando de volta para casa. Menos de cinco passos, Sueli volta-se para Carlos com um olhar de agradecimento e diz:

– Vale a pena!

– Hã?

Aquelas palavras bateram diretamente no coração de Carlos. Era a resposta para o seu questionamento enquanto estava sentado na cama. Um anjo colocara na boca daquela mulher a resposta para manter viva a biblioteca. Sendo forte como sempre foi, tinha a certeza que Maria da Penha responderia com a mesma frase. Valeu e sempre valerá a pena.

– Sim, senhor Carlos. Vale a pena para todos nós da comunidade poder contar com a sua generosidade. Saí da minha casa, vim até aqui em sua porta a essa hora da noite e ainda pude contar com a sua atenção, seus livros, que darão um futuro melhor à minha filha.

Por um momento, Carlos esquece de todo cansaço. Apenas acompanha com os olhos as duas sumirem nas ruas de Jardim Catarina. Mas antes de bater a porta, estica o pescoço e olha para cima em uma sensação agradável de estar fazendo a coisa certa, enquanto seus olhos percorrem o letreiro que diz “Biblioteca Comunitária Visconde de Sabugosa”.

Biblioteca Visconde de Sabugosa – Jardim Catarina
Comunidade em dia de evento na biblioteca.
Biblioteca Visconde de Sabugosa – Jardim Catarina
Biblioteca Visconde de Sabugosa, um ponto de encontro na comunidade.

Curiosidades:

A Biblioteca Visconde de Sabugosa fica na Rua São José do Ouro, 28 no Jardim Catarina e funciona de segunda a sexta-feira de 9 às 16 horas.

Carlos Luiz Leite participou do quadro “Agora ou Nunca” do programa Caldeirão do Hulk, na Rede Globo. Não conseguiu o valor de 10 mil reais do programa, mas arrecadou o mesmo valor em doações que foram investidos na biblioteca. Um dos famosos que doaram para a biblioteca foi à atriz global Carolina Dieckmann.

Hoje, Carlos Luiz Leite conta com a ajuda da estudante Viviane Nascimento, 20 anos, que cuida da biblioteca quando não está presente.

Biblioteca Visconde de Sabugosa – Jardim Catarina
Biblioteca Visconde de Sabugosa, Jardim Catarina. Processo de contrução do espaço.
Biblioteca Visconde de Sabugosa – Jardim Catarina
Comunidade reunida no espaço da biblioteca.
COMPARTILHE
Post AnteriorSem aulas, estudantes estão perdidos
Próximo PostSão Gonçalo precisa de um líder

Nascido lá do outro lado da poça no bairro da Penha. Criança começou a se interessar por tecnologia e quando não dava curto na casa dos pais, ajudava a vizinhança e familiares consertando um rádio aqui uma TV ali. Formou-se em tecnologia pela UERJ, casou-se com a guerreira niteroiense Aline Lucas e mudou-se de mala e cuia para São Gonçalo com a sua filha Victoria. Apaixonado por história, ação social e principalmente pela cidade de São Gonçalo, começou a escrever crônicas para diversas mídias. Hoje divide seu tempo entre empresário de Tecnologia da Informação e o Projeto Recicla Leitores (www.reciclaleitores.com.br), um projeto de incentivo a leitura que toca junto com a sua família.

Alex Wölbert também faz parte do grupo de colunistas que escrevem sobre Patrimônio Leste Fluminense para o Jornal Extra – Mais São Gonçalo.

3 COMENTÁRIOS

RESPONDA AO COMENTÁRIO

Escreva seu comentário aqui.
Por favor, insira seu nome aqui.